O Conceito

Novidades

Biografias e Obras

O Escritório


5 + 5
akira umeda - yurei
alzira fragoso - encarnado
ana kesselring - corps du monde (corpos do mundo)
ana michaelis - ilusão
ana nitzan - ...foi num dia, no jardim
ana nitzan - sublimação
ana paula lobo -"e se houvesse ainda e sempre e somente palavras"
antonio sobral - arrebentação
antonio sobral - força latente
antonio sobral - perestroika
carlos emilio - cintilações
catherine ferraz - catherine, la tête dans les nuages
cecilia dequech - solitude
cristiane mohallem - canção da estrada
cristiane mohallem - céus são céus
cristiane mohallem - entre mãos: pinturas
daniella liu herzog - transpaisagens
dconcept hospeda Aluga-se
dione veiga - solutilis
edu rodrigues - geografia
edu rodrigues - válvulas
estrela do pari futebol clube
felipe o. mello - majesty
felipe oliveira mello - herdeiros
flavia vivacqua - flavia vivacqua
gabriel nehemy - azul, cinza, rosa
juliana garcia - avulsos em série
katia fiera - e quem quiser que conte outra...
katia fiera - katia fiera
kika nicolela - exquisite corpse video project
lucas lenci - aifonepics
luiz sôlha - cineramas
marcos vilas boas - cenários
marcos vilas boas - horizontes retos
marcos vilas boas - meio-dia
marcos vilas boas - na altura dos olhos
marina ayra - bruma espuma ao amanhecer-
marlene stamm - da aurora ao crepúsculo
marlene stamm - silêncio
Mosaico
néle azevedo - o que pode um corpo?
nicole mouracade-nin - cadernos de zizi
no limite da linha - coletiva de desenho
patricia bigarelli - silêncio
renata cruz - classificação das espécies
rosângela dorazio - pelas paredes
rosilene fontes - uma historia da infância
teresa berlinck - biblioteca ilustrada, sábado e domingo
vera martins - por um fio...ETERNIZADO
vicente de mello - noite americana - interiores
victor lema riqué - el bosque II
yara dewachter-quase verdades
yolima reyes - sorbitos
katia fiera - e quem quiser que conte outra...
de 26/8/2009 à 25/9/2009.
Então, vou contar...

Force a maçaneta e entre. É uma exposição de: desenho. Mas, tão logo você finque os pés no chão diante do primeiro desenho (pronto para degustar as linhas, o branco do suporte que elas reafirmam, os planos, os acidentes da tinta, a trapaça da perspectiva), você sentirá seu corpo querendo ir. Ir? Talvez seja aquela fuga pronta sob seus pés, mas não se pergunte. Vá. Sorria, Cheshire Cat, você não será filmado, será desenho animado. Teus passos te levarão por caminhos que tateiam muros, trepe, tome vento na cara, corra, suba, desça, ande, fuja. Pule a cerca, beire-a. Salte. Espante os pássaros. Arranque a blusa, amarre-a e desça por ela. O quê? Você continua com os pés fincados no chão? Parado? Ah, bom, somente seus olhos se movem... Era a isso que eu me referia. As linhas de um bom desenho costumam capturar o olhar forçando que ele escorra sobre elas, como gota de chuva em fio de alta tensão inclinado. Foram teus olhos que tropeçaram naquele degrau, foi teu olhar que escapou pela janela deixada aberta e é teu olhar que te hasteou bandeiras de rendição. Ufa. Teu olhar deu a volta a um mundo. Agora ele está resistindo, não quer se soltar do desenho, como criança que faz birra porque os pais anunciaram que é hora de ir embora. Ele está lá, escondido atrás da torre. Parece que teu olhar não é mais teu. Nunca foi, paciência, é pra isso que serve o olhar, para ser levado por revoadas de pássaros. Arte nos faz lembrar dessas coisas. Vire a chave e saia.

Fabio Morais, inverno chuvoso de 2009