O Conceito

Novidades

Biografias e Obras

O Escritório


5 + 5
akira umeda - yurei
alzira fragoso - encarnado
ana kesselring - corps du monde (corpos do mundo)
ana michaelis - ilusão
ana nitzan - ...foi num dia, no jardim
ana nitzan - sublimação
ana paula lobo -"e se houvesse ainda e sempre e somente palavras"
antonio sobral - arrebentação
antonio sobral - força latente
antonio sobral - perestroika
carlos emilio - cintilações
catherine ferraz - catherine, la tête dans les nuages
cecilia dequech - solitude
cristiane mohallem - canção da estrada
cristiane mohallem - céus são céus
cristiane mohallem - entre mãos: pinturas
daniella liu herzog - transpaisagens
dconcept hospeda Aluga-se
dione veiga - solutilis
edu rodrigues - geografia
edu rodrigues - válvulas
estrela do pari futebol clube
felipe o. mello - majesty
felipe oliveira mello - herdeiros
flavia vivacqua - flavia vivacqua
gabriel nehemy - azul, cinza, rosa
juliana garcia - avulsos em série
katia fiera - e quem quiser que conte outra...
katia fiera - katia fiera
kika nicolela - exquisite corpse video project
lucas lenci - aifonepics
luiz sôlha - cineramas
marcos vilas boas - cenários
marcos vilas boas - horizontes retos
marcos vilas boas - meio-dia
marcos vilas boas - na altura dos olhos
marina ayra - bruma espuma ao amanhecer-
marlene stamm - da aurora ao crepúsculo
marlene stamm - silêncio
Mosaico
néle azevedo - o que pode um corpo?
nicole mouracade-nin - cadernos de zizi
no limite da linha - coletiva de desenho
patricia bigarelli - silêncio
renata cruz - classificação das espécies
rosângela dorazio - pelas paredes
rosilene fontes - uma historia da infância
teresa berlinck - biblioteca ilustrada, sábado e domingo
vera martins - por um fio...ETERNIZADO
vicente de mello - noite americana - interiores
victor lema riqué - el bosque II
yara dewachter-quase verdades
yolima reyes - sorbitos
lucas lenci - aifonepics
de 11/11/2009 à 27/11/2009.
AIFONEPICS - LUCAS LENCI

A era dos pesados tripés, das câmeras enormes movidas a filmes e daquela quantidade enorme de acessórios, parece que está chegando ao fim. E quem nos anuncia estes novos tempos é Lucas Lenci. Munido de um telefone celular e nada mais, Lucas torna realidade o velho sonho de todo fotógrafo: lançar mão de sua câmera num gesto rápido como se ela fosse um simples e prático bloquinho de notas. Ou pedacinhos de papel onde anotamos tudo aquilo que vimos e que não queremos ou podemos esquecer.
Lucas, entretanto, não se ilude simplesmente com as maravilhas tecnológicas que dia após dia chegam às mãos e aos olhos dos fotógrafos. Sabe muito bem que assimilá-las é algo natural e inevitável para os jovens de sua geração. Mas sabe também que isto não basta. Lucas tem consciência de que, para que as imagens registradas em seu bloco de notas eletrônico tenham algum valor e interesse, é necessário, sobretudo, saber ver e ter algo a dizer, condições essenciais na boa fotografia que, aos poucos, têm sido esquecidas em meio ao deslumbre diante do avanço rápido da tecnologia digital.
Para nos certificarmos do olhar certeiro de Lucas, basta observarmos suas fotografias que, em clara referência às imagens Polaróide no formato e na cor, compõem este ?diário digital?. Sem a preocupação e postura clássicas do fotógrafo analógico pois não se troca mais filme, não se usa mais tripé, a empunhadura da ?câmera? já é outra e entre outras coisas não há mais uma ocular por onde se lança o olhar, o nosso fotógrafo digital produziu mais de 1.000 imagens e, com rigor, selecionou 52 que considerou as mais expressivas. Vemos ali os jogos de luz desenhados pelos faróis dos automóveis que percorrem a cidade, a cena surpreendente composta por três ciclistas em plena avenida, o perfil de uma pessoa junto à janela de um avião e o desenho da arquitetura de um conjunto de escadas de um edifício modernista. Cenas que muitas vezes temos diante de nossos olhos indiferentes, mas que se tornam expressivas e luminosas quando filtradas pelo olhar de Lucas Lenci. São "anotações visuais, de olho nas coisas do dia a dia que me inspiravam" como ele mesmo diz.
No entanto, além da qualidade das imagens desta exposição, há aí uma outra possibilidade que Lucas nos anuncia. Com o avanço extraordinário da tecnologia digital, aproxima-se o dia em que as câmeras ou dispositivos fotográficos serão praticamente imperceptíveis. Poderemos registrar as imagens do mundo ao nosso redor num simples "piscar de olhos" que, incrivelmente, deixará de ser apenas uma força de expressão. O que diria Joseph Nicéphore Nièpce autor da primeira fotografia há quase 200 anos a respeito de tamanha revolução?


Cristiano Mascaro / São Paulo, novembro de 2009